sexta-feira, 19 de abril de 2013

Seu tricô tem classe?

Não costumo falar de assuntos alheios ao tricô aqui no blog, mas hoje vou sair um pouco dessa regra.
Há algum tempo venho me 'incomodando' com comentários econômicos que alardam o 'crescimento' das classes sociais.
"A classe C vai às compras", "Mercado se aquece visando a classe C", e vai por aí afora.
Pensando em 'agradar' a 'tal classe C', rotulam-se produtos para a classe C, D,  E..... como se o dinheiro que compra este ou aquele produto viesse com um carimbo de origem: produto pago com dinheiro da classe A, B, C e assim por diante.

Alguns canais de tv a cabo resolveram dublar grande parte dos seus programas ' visando um novo nicho do mercado'.
A máquina de lavar, o fogão, a geladeira, o sofá,  tudo  produzido para ' a tal da  classe C', ficou 'copiadinho', bonitinho, descartável  e ordinário.
Para 'impressionar' as 'classes emergentes' até roupas de cama 'lindas'  em poliester vagabundo viraram 'luxuosos' edredons e lençois em Microfibra (nome chique para o mesmo poliester vagabundo que conhecemos) que 'imitam' o percal 200, 300,1000 fios.

Daqui um tempo vamos nos deparar com 'boi de segunda' (este será o boi que foi engordado em pasto ralo e pobre) porque a carne do bicho será produzida pensando na classe C, D....m..

Até nas artes manuais a coisa também descambou para a estupidez do dinheiro rotulado.
Fios de boa qualidade e agulhas que aguentam tecer mais de dois cachecóis no mesmo inverno são quase um privilégio para as classes A e B.
O 'resto do povo' tem que se contentar com tranqueiras bolotudas, pseudo pelos e peles que depois de lavados ficam parecendo 'um cobertor de doido',  'lã acrilica', polipropileno que virou seda,  e vai por aí a fora.
Ao invés de oferecer produtos de boa qualidade a um preço justo e abrangente, preferem 'dividir' os consumidores em classes.... e 'empurrar' porcarias descartáveis que tem o 'jeitão' de coisa de boa qualidade para as 'classes socialmente emergentes'.

Taxar os 'menos afortunados' de Classe C, D  e sei lá mais que classe, de idiotas, analfabetos, sem paladar, sem ouvido, sem  gosto por nada que o 'dinheiro bom e chique' pode comprar  é no mínimo uma afronta àqueles que pagam impostos iguais, trabalham tanto quanto ou até mais, sentem dor, frio, alegria e tristeza, tudo do mesmo jeito....

Gente é gente sem 'rótulo' comercial ou econômico....Gostar e querer coisas duráveis e bem acabadas não é privilégio de ninguém.

Aliás, acho que vou sair por aí com uma placa pendurada no pescoço com a seguinte frase:
Sou sem classe, e daí?!

Bom tricô e até a próxima!




13 comentários:

Shandra Lucia disse...

Olá,adoro seu blog por isso (e por causa do trico, claro), artigos de primeira qualidade, que segundo 'eles' não seriam para 'classe C'. Adorei o conteudo e concordo plenamente
Abraços carinhosos
Shandra Lucia

Glana Ricci disse...

Eu vou junto!!

Márcia disse...

Nossa, adorei seu texto! Vejo muito isso acontecer com móveis aqui na minha região, fabricam móveis para as classes, e o preço...sem comentários. Texto de extrema relevância que vou tentar compartilhar em algumas redes que participo. G+ e Face, apesar de não gostar muito do face.

Patricia Seibt disse...

Grace

Sou sua fã há muito tempo desde a epoca da manequim. Adoro seus tricos, receitas. E esse post entao eu amei, faz muito tempo que eu e meu marido conversamos sobre isso, concordo totalmente com tudo o que voce escreveu. E te parabenizo por ter tomado a iniciativa.

bjs
Patty

Eliana Lima disse...

Olá!
Texto maravilhoso!!! Concordo plenamente... Acho que vou aderir à plaquinha. rsrs
bjoooo
Eliana

Lalá disse...

Tambem quero essa "plaquinha" rsrs...Parabéns pelo texto e iniciativa...não podemos calar diante dessas falas sectaristas que não tem nada a ver com, (como voce mesma disse), "a cor" do dinheiro de todos nós.

Beijos
Lalá

Gislaine disse...

Olá Graça .
Gostei do que voce expressou, sou da mesma opinião, falam tanto em preconceito em opção sexual e cor que esqueceram que o que fazem rotulando pessoas por classe é preconceito economico.
Somos todos capazes de produzir e ter ideias tanto quantos os outros,parabéns pelo lindo blog e pelos belos trabalhos que faz.Abraços
Gislaine Soares

Tathy e Bya disse...

concordo em grau gênero e quantidade... vc disse tudo em seu texto!!! parabéns!!! beijocas, Tathy Melo
http://tathy-tricoecroche.blogspot.com

Vilmary disse...

Parabens pelo post, concordo plenamente.

E vamos usar a placa. Ou uma camiseta, o q acha?

Bjsss
Vill

Alina disse...

Oi, amiga querida.
Adorei esta postagem, muito pertinente, parabéns.
Quanto às postagens anteriores melhor nem comentar, dada minha emoção ao ver meu nome citado como "pessoa do bem". Obrigada, de coração. E adorei a ideia do xale, para o próximo ano o kit das senhoras irá com um xale em lugar do cachecol. Gostamos da sua ideia, amiga.
Bezis e um abração de ursa! Alina

Rosa disse...

Sem classe? Totalmente impossível. Se toda a sua vida não tivesse te garantido um lugar de destaque totalmente merecido na escala social, apenas por esse discurso você já atestou a que classe pertences, embora eu não saiba bem se inteligência, capacidade, bom senso e coração são quesitos mensuravelmente relevantes na escala social. Somente uma ressalva: as ditas classes C, D, etc tem desconto do leão na fonte, não escapam dele. Contribuem com a Previdência Social e dela não recebem perdão dos débitos. Já as classes ditas superiores tem contadores a lhes declarar os fantasiosos impostos, omitindo o que bem entendem, declarando somente o que são obrigados (e em valores mitológicos). Ainda bem que, nessas horas, lembro que ninguém é eterno: aqueles que rotulam mal seus semelhantes talvez estejam escrevendo, de uma forma ou de outra, seus próprios rótulos, imprimindo em si mesmos a etiqueta do material de que são feitos. Boa postagem, gostei.

Suziane de castro disse...

Adorei sua postagem sobre a rotulação preconceituosa e descabível sobre classes. Mas gostei ainda mais quando você escreveu sobre nossos direitos de comprar materiais de qualidade, sendo que pagamos horrores de impostos por tudo! Parabéns!

Anônimo disse...

Curti ler seu post... e, se sou sem classe, então sou desclassificada? A propósito, seu trabalho em tricô é alta classe... eu não disse classe alta... Abraço!
Rah-Rah