terça-feira, 25 de setembro de 2012

Voltei com a corda toda.


De repente me dei conta que o blog simplesmente parou no tempo  há 10 meses.
Que vergonha!
Não há justificativa plausível para tanto descaso.
Mas enfim, sempre há tempo para retomar projetos deixados 'ensacolados'. O blog está empoeirado pelo abandono, mas nada que uma sacudida não resolva (eu acho).

Estou voltando com a corda toda para falar sobre o 'novo' tricô e 'crochê' cantado em verso e prosa em vários editoriais ou materias publicadas em páginas da web ou outros quetais.

De repente fazer tricõ ou crochê virou coisa modernosa, 'slow fashion' e sei lá  mais o que 'chique' porque esta na moda dar nome 'ingreis' aos bois, ou às artes com duas agulhas.

Me espanta o pouco caso ou descaso que estas matérias fazem das avós que tricotam ou crochetam desde antes de seus cabelos embranquecerem. Envelhecer faz parte da vida e não tem como pular esta etapa na linha do tempo de cada um.

Gentem! Tricô e crochê é coisa de vó, sim e também.

Há raras exceções gente jovem e bonitinha apredeu seus primeiros pontos com as avós e tias.
Qual é o problema com o tricô da avó? Qual é problema de não ser jovem e adorar tricotar? O que é novo hoje, em breve será passado e também 'velho'.

Será que de repente todo mundo acha que só os jovens sabem usar suas agulhas e fios  e que só eles tem talento? Tadinha da Elisabeth Zimmerman e da Barbara G. Walker. Essas duas 'vós' não sabiam nem sabem nada de tricô....
Às vezes fico com a impressão que querem reinventar a roda....

E o que falar dos 'importados' para a linguagem da moda.
Qualquer coisa de malha, inclusive camiseta de algodão hoje virou 'tricô', já que  importaram a palavra do inglês 'knitting' ou 'knitwear'.  Ai que 'meda'!
Sou do tempo que tricô era tecido à mão ou a máquina e nada tinha a ver com tecido de malharia circular, também conhecido como 'pano' para camiseta.

Não sou avó porque a vida não me permitiu tal feito extraordinário, mas mer orgulho muito de ter aprendido a tricotar a quase meio século atrás e sem nenhum deslumbramento ou ilusão de que o tricô  iria mudar o mundo. Tricotar para mim sempre foi uma coisa legal. Simples assim.

Então  vamos combinar: tricô é coisa de vó sim, e com muito orgulho!

16 comentários:

Unknown disse...

Grace, todas que são avós ou tia-avós como eu tricotam há muito tempo!
Eu era jovem quando entrei nessa dança, exatamente como as "slow knitting" de hoje. kkkkk

Bjos,Bel

donavera disse...

Que felicidade!!!
que bom que vc voltou a postar.
Logo, teremos, novidades, dicas e muita informação valiosa!!!!
Obaaaaaaaaaaaaa!!!
Kisses
Véra

yone disse...

Grace
que bom que voltou, tricô pra mim é pra todo mundo fazer e pra vó tb, tricoto desde menina e hj sou vó tricoteira, e continuo tricotando, espero que por muito tempo ainda,
bjs yone

Sandra Louzada disse...

Ah adorei!
Que bom ter você de volta!
Sim, sou tricoteira e meu tricô é da vovó, ou do vovô! Eu gosto é do Tricô...povo chato que gosta de rotular as coisas...concordo plenamente contigo Milady! ah sim, que FENIX hein menina! Lindo demais! Beijos! Sandrinha-Brasília

Judy disse...

Tô feliz!
Muito bem-vinda Milady!
De volta o tricot puro, simples e de qualidade.

Aprendi tricô com a avó do meu filho, aos 17, são anos de muitos pontinhos aliados ao surgimento dos meus cabelos brancos, tenho tido muito prazer com esta técnica milenar.

Tricotar é para todo mundo: criança, moça, velho, homem, mulher... tem tricot pra todo mundo... é só querer.

"Bora" tricotar!

Anônimo disse...

ó que bom que vc voltou hein? tava achando que tinha abandonado o nosso ofício! hehehe bjs

Rô Szili disse...

Boa Volta!

Hoje eu sou avó, mas aprendi tricô com uns 7 anos, eu frequentava uma casa espírita onde se tricotavam sapatinhos de bebê enquanto se esperava o passe. As agulhas e fios ficavam a disposição para quem quisesse e qdo vc ia embora, devolvia do jeito que deu, nem sempre a gente concluía, mas sempre tinha outras mãos que davam continuidade.
Minha avó me ensinou a bordar ponto cruz, ela não sabia fazer nem tricô e nem crochê. Aprendi pq tive interesse e pq sempre gostei de mexer com as mãos.
É uma pena tudo isso, é uma pena o esnobismo de certas pessoas que se acham mais que outras.
Acho tão legal poder assistir uma video aula, seja em que lingua for e poder aprender através da linguagem universal...o olhar.
Quanto ao "estrangerismo", terrível!
Mas acredito que é por pouco tempo, com nossos congressos acontecendo por aqui em breve teremos igualdade com as gringas.
Beijinhos

BlogLilikaTricô disse...

Querida Milady,

que ótimo que vc voltou a postar... senti sua falta.

adorei sua mensagem, sabes bem que admiro seu tricô tão modernamente tradicional.

bjs,
Lilika.

PS - adorei o seu Lilae. Já dei o meu primeiro para uma amiga muito especial e estou executando o meu segundo.

Daniela disse...

Adorei vc ter voltado,e vou aguardar suas novidades,concordo quando vc diz que querem reinventar a roda,bjs

Glana Ricci disse...

óóóó você voltou!!!
Com a corda toda?? Vai tricotar/crochetar a corda também?? \o/
Feliz pela sua volta!
Beijaummmmmm

Fuso e Roca disse...

Oi Milady,

pelo que me toca, obrigadaíssima! Como você, faço tricô desde os 13 e fazia para meus filhotes porque as blusas de lã eram caríssimas! Por economia aprendi outros pontos que certamente esquentaram meus gatinhos! Hoje o tricô enfeita os netos pra eu não perder o jeito.

Beijão,
Lu

nilda disse...

Ufa! Já era tempo né?
Fico feliz porque vem coisa linda por aí.
Beijoca Nilda
http://meucantin5.blogspot.com.br/

Anônimo disse...

Que saudades !!!!

Márcia Lima / RJ

*C.Salles* disse...

Olá, Milady.

Eu faço crochê desde os 8 e tricô desde os 10 e sempre fui chamada de vovó (especialmente na escola), mas nunca me importei.
Fico feliz que tenha voltado a postar, pois sempre li seu blog e usei-o como fonte de consulta.
Gostaria de saber se vc vai voltar à loja tb.

Abraços.
Carolina Salles

Marta Bee Happy Loureiro disse...

Querida Grace, perdoe-me a falta do link para o seu lindo trabalho (a base do Lilae)! Não costumo fazer isso, e só vi agora o seu post! Estou corrigindo, dando os créditos a vc! Parabéns pelos seus lindos trabalhos e obrigada por ensinar magistralmente!
Beijinhosssssssssssss

Silvia Vilela disse...

Oi adorei o post pois sou adepta do trico, aprendi com minha mãe e estou agora tentando me aprimorar com minha tia, é uma delicia e muito bom para a cabeça.
Blogueira a pouco tempo, é um prazer estar aqui. Beijo
Silvia