sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Tricô feltrado: uma arte "desregrada"

Mais uma vez a inpiração para uma nova postagem para este espaço surgiu a partir de uma discussão num dos grupos de tricoteiras-arteiras do qual faço parte. Lendo atentamente o que foi comentado sobre os erros, acertos, desastres e vontades de desenvolver algum trabalho em tricô feltrado, de repente minha cabeça começou a fervilhar com tantas informações que eu poderia passar a quem se interessa pelo assunto. E assim, ao invés de falar para o grupo em particular, pensei em dividir com mais pessoas aquilo que aprendi em outros blogs, livros, acertos e erros pessoais.
Diferentemente da feltragem feita com a utilização de fibras de lã sem cardar (fiar) que são moldadas ou modeladas originando uma projeto, o tricô feltrado não é uma arte exata e previsível. Tricô ou crochê feltrado são 'desregrados' e quase imprevisíveis no seu tamnho final.. Porisso, dificilmente um trabalho feito em tricô ou crochê fica exatamente igual ao outro após a feltragem.
Mas afinal, o que é tricô feltrado, ou melhor, o que é feltragem?
Simplificadamente, a feltragem nada mais é que a transformação através da lavagem em água quente e compactação de fibras 100% lã (top de lã) ou fios 100% lã, num tecido grosso e resistente chamado feltro. A explicação pode parecer meio simplista, mas é só isto.
Não vou me ater a falar em feltragem de fibras pois não entendo nada do assunto. Apenas me encanto com trabalhos lindos como os da Tania Stahl de que falei na minha última postagem.

Para facilitar o entendimento do processo de feltragem de tricô (ou crochê) vou tentar explicar resumidamente o que acontece com sua arte tricotística quando você resolve 'cozinhar' a dita cuja e transformá-la num tecido.
Se você se interessou em saber o que afinal acontece com seu 'cozido' e qual o melhor caminho para obter resultados interessantes com essa técnica 'desregrada', dá uma olhada nas dicas que separei prá voces.

1. Ao tecer uma peça que será feltrada use agulhas grossas (de 8 a 10). A idéia é deixar o trabalho molenga para permitir a expansão da fibra de lã. Aqui no Brasil os fios comerciais 100% lã disponíveis no mercado são o Paratapet (Pingouin) e Tapecebem (Circulo). Recentemente descobri aqui no Brasil um pessoal lá do Rio Grande do Sul que desenvolve fios artesanais 100% lã maravilhosos. Trata-se da Fiolã que não tem loja virtual, mas aceita pedidos por email

2. Lã branca não feltra pois foi submetida a processos químicos pesados para alvejar a fibra. O crú feltra perfeitamente.

3. Cores escuras às vezes desbotam então cuidado ao misturá-las com cores claras.

4. De quando em quando encontramos o fio Paratapet na versão Eureka que é o mesmo fio, porém com irregularidades (nós ou cores fora do tom da cartela). Se você tiver dúvida sobre a composição do fio, queime com um palito de fósforo um pedacinho do mesmo. Se for 100% lã , ao queimar o fio vai exalar cheiro de cabelo queimado (lembre -se que a lã é o cabelo' de bichinhos peludos) e o resultado da queima é uma cinza que se desfaz ao ser manuseada. Se o fio apresentar mistura com fibras sintététicas, ao queimar a fibra vai cheirar a plástico queimado e o resultado da queima vira uma bolinha preta dura.

5. Ao usar água quente sobre um trabalho executado em fio 100% lã (e somente fibras naturais de origem animal), você relaxa o fio de lã (fibra) e aumenta os espaços 'vazios' entre elas. Porisso o tricô fica todo molenga e imenso. Esse relaxamento das fibras tem um limite, ou seja, espixa até um certo ponto, enche de água e aí pára. Quando se atinge o grau de saturação máximo da fibra, então é hora de começar a reduzi-los através da compressão e compactação para tranformar em 'tecido'.

6. Muita gente que feltra a mão conta que esfregou o danado do tricô até quase esfolar os dedos para conseguir a compactação das fibras.

Da teoria à prática
Dica 1: Ao invés de esfregar, comprima, aperte, esprema...o tricô molhado na água quente.
Costumo feltrar à mão deixando a peça inicialmente num molho de água bem quente (não precisa estar fervendo) com uma colher de sopa de bicarbonato de sódio (o bicarbonato de sódio neutraliza eventuais resíduos de cloro da água) por cerca de 15 minutos mexendo com uma colher de pau. A seguir dou uma enxaguada com mais água quente e coloco um pouquinho de detergente para lavar louça neutro (o amarelinho) na água. Continuo mexendo por mais alguns minuto e aí começo o processo de feltrar. Uso o rolo de macarrão e uma tábua de madeira. Retiro a peça do tanque, e comprimo a dita cuja sobre a tábua com o rolo de macarrão, rolando o mesmo em todas as direções.
Despejo mais um pouco de água quente com um pouquinho de sabão líquido e repito o processo. Na medida que você vai comprimindo a peça, dá prá acompanhar direitinho a compactação das fibras e consequentemente a feltragem. Quando a peça já feltrou direitinho, enxaguo bem com água morna, espremo a peça novamente e modelo a peça de acordo com o que foi tecido.
A princípio parece trabalhoso, mas o resultado você vê em poucos minutos.

Dica 2:
Se você não faz idéia do tamanho que sua peça ficará após a feltragem, normalmente ela encolhe mais na altura que na largura numa proporção de 35 a 40% para a altura e 25% a 20% na largura.

Dica 3
: Para feltrar a máquina o processo é quase o mesmo, se sua máquina não possui ciclo de lavagem com água quente.
Deixe a peça de molho como descrito anteriormente e depois coloque a peça dentro de um saquinho para lavar lingerie na máquina. Nivele a máquuina para ciclo baixo de entrada de água. Jogue 2 baldes de água quente (cuidado com a temperatura da água pois sua máquina pode não gostar desta súbita mudança de temperatura e você poderá danificar seu eletrodoméstico). Na verdade se a temperatura estiver ao redor de 60 graus, você vai obter um resultado perfeito e bem rápido. Acerte o ciclo de lavagem para tecidos pesados, junte algumas calças jeans ou lençois velhos. Jamais use tecidos felpudos tipo toalhas de banho. Mesmo velhas elas soltam pó e isso pode danificar seu tricô.
A cada 15 minutos cheque o andamento do processo. Ao atingir o resultado desejado, enxague com água fria e dê uma centifugada leve (ciclo para roupas finas ou delicadas) por no máximo 5 minutos, para não vincar ou deformar a peça. Uma vez feltrada, a peça não 'desfeltra' e fica muito difícil acertar a modelagem. Se sua máquina possui ciclo de lavagem com água quente, é só monitorar o andamento da feltragem de acordo com o que já foi dito anteriormente.
Dica 4:
Quando por feltrar uma bolsa ou outra peça com bordas retas, faça um alinhavo bem frouxo com fio de algodão juntando levente os 2 lados para não deformar. Ao terminar a feltragem, corte o fio e retire qualquer fiapo do fio de algodão enquanto a peça estiver molhada.
Modele sua peça e deixe secar num local bem ventilado.

Enfim, tricô ou crochê feltrados são daquelas coisas para se experimentar ao menos uma vez na vida. Alguns se apaixonam, outros odeiam. Eu simplesmente amo de paixão, e você?


Meadas de amostras de fios da Fiolã
Flores feltradas

12 comentários:

Véra disse...

é como eu disse: Precisamos de você!!!
Belas dicas que tenho certeza, vão salvar muitas peças por aí a fora.
Thanks,
Véra

Cintia disse...

Que aula maravilhosa!
Agora deu vontade de feltrar!
Obrigada pelas dicas.
Beijos...

Anônimo disse...

Passar por aqui é só aprender.
Mais explicado?
Impossível.
Beijoca.
Nilda.
http://meucantin5.blogspot.com/

fernanda disse...

Olá, Karen!
Adorei!

Que tal um post sobre "blocagem"? ;-)

beijos

Cirlei disse...

Ola Karen
Conheci seu blog hoje e amei. A aula de feltragem esta divina.Cada receita mais linda que a outra.
Vou linkar voce no meu modesto blog, que esta apenas começando.
Que Deus lhe ilumine para que voce possa ganhar o 1º premio deste ano das Mãos de fada.Voce vai participar, né? Sabe, eu sou culinarista dao programa Mulher,com.mas so ensino culinaria diet.
Um beijo no seu coração
Cirlei

Judy disse...

Olá Karen.
Tudo muito bem explicado.
Acho lindo os trabalhos feltrados, mas nunca me arrisquei, quem sabe depois desta aula didática...
Um grande abraço e obrigada mais uma vez.

Judy

A Tecelã disse...

Adorei!
Sempre me apresentaram a feltragem como um bicho de 7 cabeças. Ai vem voce e me coloca de uma forma tão encantadora que já estou ate me atrevendo a pensar em fazer algo no genero!
Vamos agora aguardar uma aula sobre a famosa Blocagem, outro terror de iniciante!
Obrigado minha generosa amiga!
Bjs
Marcia

Naturline disse...

Eu era muito agradável sentir saudade de muita diversão em seu blog recebeu uma calorosa saudação.

Claudia (tricotando2005@yahoo.com.br) disse...

Muito bom Karen, obrigada!
Adorei também o artigo sobre agulhas - para guardar e consultar sempre!
beijo,
Claudia

Estela disse...

Hola Karen! Buscando, buscando llegué hasta tu blog y que bueno lo que encontré!!! Dicas sobre "afieltrado! Una técnica que he comenzado a adorar hace poco tiempo. Lamentablemente en idioma español no hay mucho material sobre el afieltrado por agua caliente y el afieltrado con agujas de cardar! Muchas gracias por compartir estos consejos y prometo visitar tu blog más seguido!
Abraço & bjs
Estela

Anônimo disse...

Oi! Sua dica de usar o rolo de macarrão salvou o meu trabalho! Obrigada!

Thelma Cristina Costa disse...

Legal muito legal.
Vou estar pondo em prática.
Grace é uma mestra. Bjs